A História da Tradicional Árvore de Natal

Tradição comum a várias partes do mundo, entre católicos, protestantes e ortodoxos, as árvores de Natal são cultuadas como um símbolo divino desde as civilizações antigas, representando a fertilidade da natureza.

Povos que habitavam os continentes europeu e asiático no terceiro milênio antes de Cristo já consideravam as árvores como algo sublime, associadas a entidades mitológicas, e para elas ofereciam presentes e realizavam festas.

Na Assíria, diz a lenda que a deusa Semiramis havia feito uma promessa aos seus habitantes de que quem montasse uma árvore com enfeites em casa, no dia do seu nascimento, teria a casa sempre abençoada.

Nas vésperas do solstício de inverno, os povos pagãos da região dos países bálticos cortavam pinheiros, levavam para seus lares e os enfeitavam de forma bastante similar ao que é feito hoje nas árvores de Natal. Essa tradição foi passada aos povos germânicos. A primeira árvore de Natal foi decorada em Riga, na Letônia, em 1510.

Acredita-se também que este costume tenha começado em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele usou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.

Os primeiros registros de sua adoção pelo cristianismo vêm do norte da Europa, no começo do século XVI, mas tudo indica que, a essa altura, já era uma tradição medieval. No antigo calendário cristão, o dia 24 de dezembro era dedicado a Adão e Eva, cuja história costumava ser reencenada nas igrejas. O paraíso era representado por uma árvore carregada de frutos, colocada no meio da cena teatral.

Entre tantas versões na história, a mais aceita é que tenha mesmo surgido na Alemanha no século XIV. Dois séculos depois, teria se propagado para Inglaterra, França e Estados Unidos. Na época, o príncipe Albert (1819-1861), esposo alemão da rainha Vitória, sob o comando do império vitoriano, montou uma árvore de Natal no palácio real britânico. Como o império dominava mais de meio mundo, logo o costume difundiu-se. Na Espanha e na América latina, a introdução da árvore de Natal teria ocorrido no século XX.